Life Beyond Borders

Melhoria contínua

Você imaginaria ver um atleta sem treinador? Ou um músico?

Pessoas com alto desempenho em suas carreiras percebem que, mesmo que eventualmente aprenderiam por si conselhos recebidos de seus treinadores,

eles querem usufruir do conhecimento o quanto antes tendo um "atalho" em sua curva de aprendizado.

Não há tempo a perder!

Entrevistas

Clique nas fotos para assistir

Fazendo seu sonho acontecer em francês


Mariana Vetturazzi estudou medicina na Universidade de Caxias do Sul, e fez estágio no Hospital Pompéia e no Hospital Geral em Caxias. Querendo expandir seus conhecimentos, foi para a França, onde fez estágio no Hôpital Croix-Rousse e no Hôpital Louis Pradel em Lyon. Gostou tanto que decidiu ficar. Para ser médica na França é muito difícil validar o diploma brasileiro, assim em muitos países da Europa. Decidiu então virar a mesa começar do zero, aprender francês na faculdade,  para então matricular-se no curso de medicina e fazer seu sonho acontecer. 

No Brasil, presenciou momentos onde os haitianos tinham dificuldade em receber atendimento médico por não falarem português fluentemente, e, ao invés de calar-se, criou cartilhas em francês e buscou chamar atenção dos políticos para o assunto.   

Histórico

Clique nas fotos para assistir

Categorizando atletas paralímpicos

Você quem tem uma imagem do deficiente como um 'coitadinho', está na hora de quebrar seu paradigma: os atletas paralímpicos tem muito a ensinar a nós que nos consideramos 'normais'. Eles não estão para brincadeira, querem ganhar medalhas, quebrar records e se destacar, e ver seus sonhos realizados. Compensam suas deficiências com muito trabalho árduo, disciplina e dedicação. Como categorizá-los de forma que estejam em condição similar de deficiências para competirem? 

Esta é a especialidade de Guilhermo  Sanchis, que avalia os candidatos à vagas paralímpicas e os categoriza conforme suas limitações em uma das 14 classes: 10 físicas, 3 visuais e uma mental.  Seu parecer é fundamental para um esporte mais justo.

Nesta entrevista ele conta sobre sua jornada de GlobePerson, nascido na Argentina, tendo residido em Porto Alegre (Brasil), Inglaterra, Alemanha e atualmente em Fortaleza (Brasil), sua entrada no movimento paralímpico e sua absoluta paixão por ele.

Apesar da deficiência física tudo é possível

Daniel Dias nasceu em 1988 na cidade de Campinas (SP), Brasil, com má formação congênita nos membros superiores e perna direita. Inspirado em Clodoaldo Silva, atleta do paradesporto brasileiro, começou com aulas de natação e 2 anos depois já participava do seu primeiro Mundial de Natação em Durban, África do Sul, em 2006.

Com 36 medalhas, sendo 30 de ouro, obtidas em 5 campeonatos mundiais de natação, recebeu o prêmio Laureus World Sports Awards, popularmente conhecido como o 'Oscar do Esporte', como melhor atleta com deficiência 3 vezes (2009, 2013, 2016). Apenas outros 3 brasileiros, Pelé e Ronaldo Fenômeno no futebol, e Bob Burnquist no skateboarding, tinham até então recebido este prêmio.

 

Você sempre volta diferente de uma viagem

A chancela VIRTUOSO é concedida às melhores agências de viagem do mundo, e nos honra saber que a Trip&Travel de Porto Alegre é uma delas. O GlobePerson desta semana é Beto Conte, seu diretor a 33 anos, que já percorreu 139 países nos 6 continentes. 

Aficionado por descobrir novas terras, foi na Ásia, onde teve sua experiência mais prolongada como viajante, percorrendo por um ano, das paradisíacas praias de Bali até ‘trekking‘ ao campo base do Everest no Tibet. Entre suas andanças estão o Irã,  as estepes e montanhas da Ásia Central, os templos do Sudeste Asiático, o Alaska, mergulho na Austrália, ski na Bósnia, safaris na Africa e muito mais.
Beto conduziu várias vezes os GRAND TOURS, viagens de imersão cultural pelo mundoquando a pandemia fez ele hibernar pela primeira vez em 4 décadas.

Retornou esta semana do Egito, sua primeira viagem internacional em uma ano, e nos conta de sua trajetória viajante e a sensação de estar na estrada novamente. 

De uma pequena aldeia italiana para o mundo


A fascinante história de Maja Milic como GlobePerson começou cedo, quando saiu de casa bem jovem ansiosa por conhecer o mundo. Morou em vários países, conheceu pessoas fantásticas, aprendeu sobre diferentes culturas, gastronomias e modos de viver. Trabalhou em licitações e leilões de grandes empresas multinacionais, viajando pelo mundo e hospedando-se em luxousos hotéis, de onde originam-se muitas das idéias que hoje aplica em sua empresa de design, a Maya's Homes,  localizada no elegante bairro de Cascais em Portugal. 

Falando 7 idiomas, inglês, francês, alemão, espanhol, português, esloveno, e outros que não menciona, como o grego, da época que morou na Grécia, sua empresa é uma das preferidas dos estrangeiros de mudança para Portugal

Do quintal de casa para os 5 continentes

Tendo sido atleta desde a infância, Beatriz Dockhorn cresceu seguindo uma disciplina rígida de melhoria contínua, horários e metas árduas para atingir e melhorar resultados. Foi um preparo excelente para a sua vida profissional. A empresa Bia Brazil, que começou no quintal de sua casa, hoje exporta para 61 países, entre eles Líbano, Finlândia e México, e abriu recentemente loja própria em Fort Lauderdale, USA. Sempre com o foco de ser um dos melhores produtos no segmento, buscando alta qualidade, inovação e sustentabilidade, é realmente uma brasileira que enche nosso país de orgulho.

Alexandre Pussieldi, nosso jornalista internacional, conduz esta entrevista. Ambos eram atletas do Grêmio Náutico União na mesma época e viraram GlobePersons. Mostrando que o "Globe" é pequeno, via o carro adesivado da BiaBrazil circulando pelas ruas de Fort Lauderdale, USA, onde mora há muitos anos, e vibrava de ver um brasileiro de sucesso, sem saber que a Bia era sua colega de infância.

Estabelecendo um padrão de ouro para os comentaristas do esporte olímpico do Brasil

Competente e com carisma gigantesco, Coach Alex aposentou-se como comentarista da Globo/SporTV depois de mais de uma década e em que cobriu três Olimpíadas, três Jogos Pan-Americanos e nove Campeonatos Mundias. 

Iniciou sua carreira em Porto Alegre, mudou-se para Recife, depois para a Flórida como treinador da famosa clínica Jack Nelson.  

Em 2008 cobriu sua primeira olimpíada em Pequim. Comentar natação na televisão não é tarefa fácil dado o volume de acontecimentos em curto espaço de tempo, que exigem concentração extrema (centenas de nadadores, cálculos mentais de parciais de provas rapidíssimas, prestar atenção aos mais diversos tipos de recordes e rankings etc). Conhecido como sendo uma espécie de oráculo da natação brasileira, Coach Alex criou um novo patamar de qualidade, provendo informações precisas, histórias de bastidores, curiosidades, estatísticas, tudo na medida certa.

New York, New York - start spreading the news


Em seu primeiro emprego, Rafael Viegas Dihl se envolveu em um projeto extremamente desafiador e ouvia os colegas conversando e pesquisando informações em inglês. Ele decidiu que também precisava falar inglês e "ir mais além" nos seus estudos a cada dia. O esforço foi bem recompensado: meses depois, o especialista externo ligou, querendo saber como Rafael havia resolvido um problema similar ao que ele estava tendo em um projeto semelhante em outro cliente. Isto o motivou a desenvolver-se ainda mais.

20 anos se passaram desde que ele começou sua carreira de TI e, como sua primeira chefe previu, ele agora tem uma carreira de muito sucesso.

Nesta palestra ele compartilha suas experiências de viagem, os dias na Austrália curtindo o surf e o sol, as responsabilidades após ter sido ser pai e a decisão de se mudar para os Estados Unidos.

Sentindo-se em casa na Alemanha


Gabriela Tichauer Knappe cresceu sentindo-se exótica: apesar de estudar numa escola de origem alemã seus interesses não eram compartilhados por seus colegas. Sendo filha de pais alemães residindo no Brasil, nos fins de semana gostava de caminhar pelas montanhas, curtir a natureza e ouvir as músicas tradicionais alemãs tocadas em casa. 

Formou-se em jornalismo pela PUC-RS, e em 1990 decidiu mudar-se para a Alemanha e "ver como era", quando então finalmente encontrou seu lugar. Nos primeiros tempos também lá nos  sentiu-se exótica: havia coisas que valorizava mais na cultura brasileira - um questionamento que resolveu adotando uma cultura "GlobePerson".

Atualmente ela trabalha assistindo brasileiros que querem obter informações sobre antepassados alemães, requerir cidadania e, para brasileiros residentes na Alemanha, diversos serviços junto à embaixada e consulado.

PhD em literatura inglesa no Canadá


Gabriella sempre buscou seu próprio espaço. Seu pai é um empresário de sucesso e ela poderia muito bem trabalhar com ele ou mesmo curtir a vida sem grandes preocupações financeiras, mas ao invés disso, buscou sua realização pessoal fazendo primeiramente um mestrado, e agora um doutorado em literatura inglesa no hemisfério norte, longe de casa, enfrentando o frio, a neve e dias escuros no inverno.

Nesta entrevista ela nos conta um pouquinho do seu dia a dia e os desafios de se adaptar à cultura canadense.

Ensinando crianças com necessidades especiais em Londres


Ela foi estudar sozinha em Israel aos 19 anos, mudou sua linha de estudos várias vezes,  até que um professor descobriu seu maior talento: ensinar crianças com necessidades especiais, que a tornou  conhecida mundialmente. Entre suas realizações, uma criança com síndrome de Down que começou a ler aos 4 anos.

Desnecessário dizer que ao longo de sua carreira ela recebeu inúmeras propostas para se mudar e trabalhar em diferentes países, e Londres venceu com uma que ela não podia recusar.

Nesta entrevista ela fala com paixão de seu trabalho e a diferença que faz para tantas crianças que outros vêem como "deficientes", porque acredita que cada uma delas tem uma "chave de acesso" e seu papel de professora ser a mediadora da criança para o mundo.

Fazendo o ensino médio em Israel


Com a certeza de quem tem grandes sonhos de trabalhar em tecnologia de ponta na medicina Shai Milstein não hesitou de ir muito além da sua zona de conforto e fazer o 2o.grau em regime de internato em Israel. Tendo estudado no Colégio Israelita, tinha algum conhecimento em hebraico, e também um bom inglês após anos de estudo do idioma. Sabia que, para adquirir fluência nos dois idiomas, fazer um networking com outros estudantes internacionais, e ter professores que poderiam lhe fornecer recomendações serão fundamentais para fazer seus sonhos acontecerem. É um grande sacrifício estar longe da família e amigos, mas ele diz que está valendo muito a pena. Em suas palavras "Nunca deixe de ir adicionando sonhos aos seus planos"

Mercado de trabalho na Finlândia


Talvez a Finlândia não esteja em sua lista de possíveis destinos quando você pensa em ir morar no exterior: o frio é intenso no inverno, o idioma é difícil de aprender, e você não conhece ninguém que está morando por lá. É justamente por isso que você deve ouvir esta entrevista: os salários são bem mais altos que no sul da Europa, o ensino é gratuito e você recebe uma bolsa do governo para aprender o finlandês. E frio, ora essa, é só ter as roupas adequadas para usar na rua, todos os ambientes são aquecidos.

Treinamento de lideranças no Brasil, Europa, África e Oriente Médio

Camila é responsável por desenvolver competências, ministrando treinamentos em operacionalidade e liderança pelo mundo afora. Começou sua carreira no Brasil, foi expatriada para a Suécia, tem em sua história inúmeros líderes formados no Brasil, Europa, África e inclusive no Oriente Médio, imaginem só! Gerenciou um projeto que lhe levou a morar um ano na Índia. Ouvir suas experiências sobre 'navegação' entre culturas é algo apaixonante: a posição de igualdade da mulher no ambiente familiar sueca versus sua posição em culturas islâmicas, a cultura sueca do 'suficiente' versus a de competitividade americana, de todas suas vivências diz que sempre a algo a aprender. Não perca as histórias desta corajosa GlobePerson de sorriso contagiante e imensa habilidade de adaptação.

"Não tenho medo de sair da minha zona de conforto"


Denise é professora Montessoriana em Shangai, na China. Esposa de um Italo-Brasileiro, e mãe de 3 filhas - uma de 25 anos, nascida no Brasil, outra de 16, nascida nos EUA. e a menor, de 12 anos, nascida na China, esta é realmente uma família de GlobePersons bem internacionais!

A família se mudou para lá acompanhando o marido expatriado, sem falar  chinês e sem entender o alfabeto de símbolos, numa época que o inglês era pouco conhecido nas ruas. Na sua fala mansa esta corajosa brasileira não se deixa abalar, respondendo "Eu nunca tive medo de sair da minha zona de conforto" . 

Seu relato é recheado de energia positiva e paixão pelo país que os adotou.

Quem sabe o que quer vai mais longe


Já ao iniciar o 2o.grau no colégio Anchieta Vicente sabia o que queria fazer: fazer faculdade na universidade de Toronto, no Canadá. Ele sabia quais eram os requisitos que  lhe garantiriam melhores chances de ser aceito na universidade e trabalhou com afinco para ver seu sonho acontecer. 

Se formou recentemente com láureas e agora continua sua formação em Barcelona, na Espanha, fazendo um master em segurança internacional. 

Virando a vida aos 53 anos de idade


Separada, e com as duas filhas criadas, Ana Luiza resolveu ir atrás de seu sonho: morar na Holanda. Com um currículo de anos trabalhando com tecnologia da informação (TI), passando pelo Terra, UOL, em cargos de liderança, ela resolveu arriscar - arranjaria algum emprego, arranjaria onde morar, daria um jeito. Na mente a lembrança dos bons tempos de anos atrás onde tinha morado na Alemanha e frequentemente visitava a Holanda.

Estudando arquitetura na Itália


Alice ri quando perguntamos como é fazer arquitetura na Bella Itália - "Aqui as obras d metrô volta e meia tem de ser suspensas pois novos sítios arqueológicos surjem durante as escavações." Descendente de italianos, com família espalhada por várias partes deste mundo afora, ela nos conta de sua jornada até encontrar o lugar onde quer se assentar

Um dos primeiros dentistas gaúchos em Portugal


Em 1988 Mauro Vale leu na revista Veja que havia boas oportunidades para dentistas brasileiros em Portugal. Apesar do medo de tudo dar errado e ele ter de voltar, resolveu arriscar. Lá chegando bateu de porta em porta nas clínicas em busca de entrevistas de trabalho e em pouco estava empregado. 

Iniciou em Lisboa, foi temporariamente transferido para Beja, no Algarve, e acabou ficando. Hoje é conhecido e querido em toda a cidade, e adora sua vida onde tudo é perto, longe dos engarrafamentos das grandes cidades. 

Conheça a história deste brasileiro que não hesitou em sair de sua zona de conforto.

Muita coragem na bagagem
"... chega uma hora em que o convite para arriscar merece ser atendido. O pior que pode acontecer é tudo dar errado. Pior em termos. Dar errado não é tão ruim diante alternativa de nunca ter tentado". Denise queria obter cidadania italiana para ir morar com sua filha na Itália, esperou 10 anos para ver seu sonho acontecer. Felipe passou por vários empregos e cidades, até se instalar por definitivo como empresário na Austrália. Camila agora é mãe, antes disso viajava pelo mundo afora desenvolvendo lideranças na Europa, África e inclusive no Oriente Médio.

Todos estão agora vivendo o futuro que uma vez sonharam, mas têm histórias incríveis para contar sobre suas experiências.

Mente sã em corpo são


Este provérbio romano pretende chamar a atenção para a uniãoexistente entre o corpo e a mente. Para termos uma mente saudável e um corpo saudável temos de fazer exercício físico, descansar, ter uma boa alimentação, higiene física e oral, entre muitas outras coisas, que devemos realizar diariamente. Neste evento Andréa aborda o lado psicológico da mudança para uma nova localidade, seguida de Isadora, falando sobre a adaptação dos hábitos nutricionais às diferenças de clima e cultura, seguida por Eduardo, da Perfect Run, que dá dicas de como iniciar uma rotina de corridas que ajuda aliviar o stress e pode ser feita em praticamente qualquer localidade.

Brasileiras Sem Fronteiras - edição EUA


Albert Einstein uma vez disse que "é mais fácil quebrar um átomo que um preconceito". Conheça a história destas 3 gerações de brilhantes brasileiras que hoje fazem sucesso internacionalmente, criando seu próprio espaço como empreendedoras, na universidade ou em empresa multinacional. 

Sem quotas ou favores, disputam seu espaço de igual para igual com homens e mulheres do mundo inteiro, e são reconhecidas por sua competência.

Conheça suas incríveis histórias e ouça suas orientações neste seminário com vagas limitadas.

Em breve